Michael Joe Jackson Nós Te Amamos!

Nós Te Amamos!

Medical Detectives-Agulha no Palheiro.


MEDICAL DETECTIVES = EPISÓDIO “AGULHA NO PALHEIRO”!

Michelle Herndon 1981 +2005.

Assassino: Oliver O’Quinn

Arma do Crime: Propofol

Michelle Herndon era amiga de Oliver O’Quiin, e levava ele para tudo que era lugar, para assistir uma banda ou até mesmo para tomar um café juntos. Ela tinha pena dele e o levava a todos estes lugares. Os amigos de Michelle achavam – no estranho, porque ele sempre queria se mostrar com exageros. E além disso tinha um interesse romântico em Michelle, um dia ele escutou Michelle falando ao telefone sobre ele, ela não pensava que ele escutaria ela falando mal dele por telefone, ela falou comentários depreciativos sobre ele, e ele pensou num plano que colocoria em pratica futuramente, uma vez ela disse para ele que sofria de enxaqueca, e ele falou para ela que teria algo que eliminaria sua dor. Então ficou esperando ela ligar e falar para ele que estava com enxaqueca, ele era enfermeiro na UTI do Hospital Shands Campus da Universidade da Flórida, e em novembro de 2005 ela ligou para Oliver dizendo que estava com enxaqueca, ele voltando de seu trabalho foi até o apartamento de Michelle e ela ofereceu para ele o seu braço esquerdo onde ele usou um cateter pediátrico e uma pequena agulha para aplicar o anestésico Propofol, ele aplicou uma dose letal de Propofol e Michelle morreu em poucos segundos, depois ele colocou o braço dela embaixo de seu corpo, virando – a de barriga para baixo. Ela confiava tanto nele e ele se aproveitou de sua confiança para mata – la com o Propofol. Ele fez o que os profissionais de saúde costumam fazer, usou os dentes para puxar a tampa da seringa e deixou ali a amostra de DNA que mais tarde o idenficou.

Em novembro de 2005 Michelle Herndon foi morta. Mas com o corpo de Michelle na mesa do IML, a legista descobriu que Michelle tinha um pequeno buraco em seu braço esquerdo, já que não havia nenhuma hemorragia, investigaram com o seu médico se ela havia tomado algo, ele não prescreveu nada para ela, e começaram as buscas no seu apartamento, em seus cestos de lixo não foi encontrado nada, mas a 18 metros do corpo, atrás do apartamento foi encontrado um saco com cateteres pediatricos e a agulha com a tampa, junto havia dois frascos de Propofol. Que a polícia pode rastrear de onde vinha, nesse tempo um policial chamado Marc Woodmansee lembrou que os profissionais de saúde usam os dentes para remover a tampa da Agulha, foi feito um exame de DNA onde foi encontrado um DNA masculino, no cateter continha sangue de Michelle e Propofol.

O propofol é um sedativo intravenoso de ação rápida usado em anestesia geral, para se ter uma idéia o médico começa uma contagem regressiva que vai de 100 até 0, o paciente só escuta 99. Ele também é usado em outros tratamentos. O propofol já foi sugerido como remédio para enxaqueca. Não é uma indicação definitiva no tratamento para enxaqueca, mas há casos em que ajudou. Michelle sofreu de enxaqueca a vida inteira. A dor era forte. Um policial comentou que nunca teve enxaqueca, mas que quem tem diz que é horrível. Fariam o que fosse preciso para se livrar da dor.

Como a polícia viu que foi Oliver que matou Michelle com Propofol e como foi feito o rastreamento?

Os frascos de Propofol têm um número de controle nacional e um número de lote.

Exemplo:

Imagem ilustrativa de um frasco de Propofol.

NDC: 55390-104-27 esse é um exemplo do número do registro do Propofol.

LOTE: 31302122B

Os números acima são apenas ilustrativos.

Aqueles frascos de propofol provinham de distribuidores de Lakeland, na Flórida. De lá foram levados para o Hospital Shands, na Universidade da Flórida. Eles foram transportados durante o tempo em que O’Quinn trabalhava no hospital. Esses frascos foram colocados numa máquina de distribuição na UTI do hospital. Os frascos foram rastreados até uma máquina distribuidora, você digita o número do paciente, e a máquina disponibiliza o frasco do remédio. Para tirar o propofol da máquina o funcionário tinha que digitar o seu número de identificação.

Oliver O’Quinn.

E de quem era o código que tinha sido usado para o acesso a esses dois frascos?

Era do enfermeiro registrado Oliver O’Quinn.

Então a polícia conseguiu rastrear o Propofol desde a fábrica até as mãos de Oliver O’Quinn na UTI cirúrgica do hospital.

Quando a policia iria tentar contatar Oliver, ele fugiu para a Irlanda onde tinha requerido uma licença de enfermeiro. Ele fugiu para evitar o processo, e não pretendia voltar aos EUA.

A extradição na Irlanda é muito complicada e difícil, e um dos investigadores tentou entrou em contato com a moça da extradição e ela disse para ele:

PARA AÍ, CALMA LÁ!

Então em comum acordo a polícia entrou em contato com o JORNAL “Irish Times”, onde enviaram uma foto de Michelle e outra foto de Oliver, com um resumo da investigação de homícidio contando que ele era procurado nos EUA. Eles publicaram o caso três vezes, com a pressão aumentando Oliver deixou a Irlanda e partiu para o Senagal na áfrica Ocidental onde foi entregue imediatamente às autoridades dos EUA. Enquanto Oliver esteve detido eles conseguiram um mandado para poder analizar o DNA de Oliver juntamente do DNA encontrado na tampa da seringa e compararam ambos e deu que eram compatíveis, era o mesmo que obter as digitais do suspeito na arma do crime, e Oliver cometeu muitos erros. Ele foi acusado de homícidio qualificado.

O motivo do crime?

O motivo do crime foi que ele ouviu uma conversa de Michele ao telefone, onde ela fazia comentários depreciativos sobre ele, como por exemplo que ele era um homenzinho ordinário e tal. Ele comentou com um companheiro na prisão que ela teria um longo sono. E o companheiro contou no julgamento. Ele pensou que se ela não pudesse ser dele, não seria de mais ninguém.

Oliver foi julgado por homicídio qualificado. A sua defesa alegou que ele deu Propofol a Michelle para aliviar a dor da enxaqueca, mas acidentalmente aplicou uma dose alta demais.

Um profissional de saúde explicou que não é possível que a injeção de Propofol em Michelle Herndon tenha levado a uma morte acidental. Essa foi uma ação condizente com homicídio.

O júri também não acreditou na defesa, e  Oliver O’Quinn foi condenado por homicídio qualificado e sentenciado à prisão perpétua sem liberdade condicional.

Este foi o primeiro caso relatado de homícidio envolvendo Propofol. Então todo o caso foi conduzido e solucionado pela perícia. Não há testemunha ocular. Então, como prender um criminoso sem provas? Sem as provas não acho que daria certo.

Todos fizeram sua parte e realizaram um ótimo trabalho. Tudo se encaixou. O policial termina a matéria comentando que nunca havia trabalhado num caso em que os detalhes tivessem tanta importância, e que como uma punção ou uma amostra de DNA deixada numa tampa tivesse um papel tão importante na solução de um caso.

OBS: Michelle Herndon que você descanse em paz, pois sei que você está na companhia de DEUS e os anjinhos. Beijos Marila Hoppe

Fonte: Programa de TV chamado Medical Detectives, episódio Agulha no Palheiro exibido pela Universal Channel no dia 30 de novembro de 2010.

Quer deixar uma mensagem de força para a família e os amigos de Michelle Herndon?

É só acessar esse linck abaixo

http://www.myspace.com/michelleannherndon

Consideração do site Celebgalz:

Oliver  Travis O’Quinn & Michelle Herndon: O’Quinn injetou Propofol em Herndon
Por Cynrae Clarencia em 21 de agosto de 2009

Anos atrás, antes de Michael Jackson e de propofol serem ligados, alguém destacou o uso de propofol. Michelle Herndon, uma estudante da Universidade da Flórida (UF), morreu de uma dose de propofol. Herndon, 24, morreu em 2005.

Oliver Travis O’Quinn, um enfermeiro treinado em anestesia, foi acusado e condenado pela morte de Michelle Herndon. A promotoria estabeleceu que O’Quinn havia injetado Propofol em Herndon,  no condado de Gainsville.

O’Quinn foi condenado após a condenação. O’Quinn foi condenado à prisão perpétua, sem a disposição de pedir liberdade condicional.

Fonte: Cynrae Clarencia em Celebgalz em http://celebgalz.com/oliver-travis-o%E2%80%99quinn-michelle-herndon-oquinn-injected-propofol-into-herndon/

Minha consideração:

Vocês irão me perguntar, o que esse caso tem há ver com o caso de Michael Jackson?

Bem o que eu vou responder é o seguinte, ela foi morta por um amigo de sua confiança que era enfermeiro e ele a matou com o uso do anestésico Propofol em seu apartamento, Oliver foi acusado de homicídio qualificado e sentenciado a prisão perpétua sem direito a liberdade condicional. Está preso. E o Murray que disse que aplicou Propofol em Michael Jackson, o REI DO POP está livre leve e solto. O que eu quero comparar nesses dois casos é que no caso de Michelle ela foi realmente foi morta por intoxicação de Propofol, que foi aplicada pelo seu amigo Oliver, que aproveitou de sua confiança e a matou com o uso de Propofol, eles investigaram tudo nos mínimos detalhes, com amostras de DNA e tudo mais, no caso de Michael ou não estão prestando atenção suficiente ao caso ou não querem resolver mesmo, o que na realidade, na minha humilde opinião me leva a crer que Michael Jackson está realmente vivo, porque num caso como este o assassino é preso em pouco tempo por homicídio qualificado, o que aconteceu com Oliver, porque este foi um caso real e agora Michelle pode descansar em paz porque seu assassino, Oliver está atrás das grades.  Ela era uma pessoa comum, já Michael Jackson por ser quem é, também merecia uma investigação do mesmo modo que investigaram no caso de Michelle, eu penso isso, já que a família pensa que ele foi morto.  As provas no caso de Michael estão sendo descartadas como papel de bala, muitas coisas não batem, você pensa que se o Michael realmente tivesse morrido o Murray estaria solto como ele está e com a sua licença mantida? Eu te respondo que não, que ele estaria em pouco tempo atrás das grades. É algo para se pensar, por isso que eu comparei as duas histórias, porque ambas são parecidas porque suas vítimas estavam em suas casas e tinham confiança em seu enfermeiro e médico.

Michael realmente está vivo, e o que estamos acompanhando é tudo tão surreal. Tão inimaginável que um caso parecido nos faz enxergar o óbvio, Michael vivo. Uma coisa que quero deixar claro também é que  eu não estou brincando com o caso de Michelle, eu estou apenas fazendo uma comparação, porque no caso de uma pessoa comum o assassino foi preso e no caso de Michael que acham que é Murray o assassino, Murray está livre, leve e solto, apenas essa é a comparação que eu quero fazer nos dois casos que são parecidos por causa do uso do Propofol.  Ainda sou uma Believe e continuarei sempre. Beijos Marila Hoppe

Correção do texto:

E na primeira vez que eles passaram esse episódio eles tinham dito que durou pouco tempo para pegar o cara, o texto que usei aqui é conforme o vídeo do Medical Detectives que passou em 30 de novembro de 2010 e as informações que eu tinha eram do vídeo, até a minha conclusão eu me basiei no vídeo.

Logo após a morte, O’Quinn renunciou seu posto no UF Shands e fugiu para a Irlanda. Em 21 de junho de 2006, a Embaixada dos EUA descobriu que ele estava no oeste da África e foi preso.

O’Quinn foi extraditado para Nova York em julho de 2006 e finalmente voltou a Gainesville em outubro de 2006.

O julgamento começou em outubro de 2008.

Tenha sua fé e esperança sempre, porque Michael está realmente vivo. Beijos Marila Hoppe

07/12/2010 - Posted by | Uncategorized

6 Comentários »

  1. Eu assisti o episódio e tremi quando vi o propofol. Michael is alive bjsss

    Comentário por Enia | 07/12/2010 | Responder

    • Enia eu não disse que esse caso é de arrepiar amiga, porque o assassino foi preso em pouco tempo. Eu também tremi quando vi o uso do Propofol, isso aconteceu em novembro de 2005. E o Michael está vivo, por isso o Murray sempre está livre.

      Comentário por marilahoppe | 07/12/2010 | Responder

  2. Minhas deduções a respeito do caso Michelle, comparado a Michael são iguais as suas…

    Muito boa sua matéria….

    Mostra mais uma vez o quão “insignificante tem sido a morte de MJ”….

    Se ele estivesse realmente morto muita coisa já teria acontecido.

    Comentário por Nádia | 07/12/2010 | Responder

    • Nádia é verdade se ele tivesse mesmo morrido muita coisa teria sido respondida e acontecido, que bom que gostou da matéria, eu fico feliz com isso. Obrigada pelo carinho também! Te adoro amiga! Beijos

      Comentário por Marila Hoppe | 07/12/2010 | Responder

  3. Gostei da materia Marilia
    Então já era pra policia saber de onde o Murray tirou os frascos de propofol, e ele já era pra estar vendo o sol nascer quadrado ha mto tempo

    ah ouvi dizer q se condenado ele vai ficar 4 anos na cadeia
    fala serio até ladrao de galinha fica mais tempo na prisão

    Comentário por Billie | 07/12/2010 | Responder

    • Billie verdade, é nesse ponto que eu quis chegar quando comparei os dois casos, porque até um cachorro que mordeu uma pessoa ficou 15 dias presos, e o Murray? Bem se condenado 4 anos na cadeia, já o cara que matou a Michelle pegou prisão perpétua sem liberdade. Ambos usaram Propofol em seus pacientes.

      Comentário por Marila Hoppe | 08/12/2010 | Responder


Deixe uma resposta para marilahoppe Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: