Michael Joe Jackson Nós Te Amamos!

Nós Te Amamos!

Sem licença.


Funcionária: consultório de Murray não tinha enfermeiras licenciadas

03 de outubro de 2011 21h02 atualizado às 21h09

Conrad Murray, médico acusado de ter sido responsável pela morte de Michael Jackson. Foto: AFPConrad Murray, médico acusado de ter sido responsável pela morte de Michael Jackson
Foto: AFP

No julgamento do Dr. Conrad Murray, acusado de ter sido responsável pela morte de Michael Jackson por ter aplicado no cantor uma dose mortal do anestésico Propofol, uma ex-funcionária do consultório do médico em Las Vegas, Consuelo Ng, afirmou que não havia enfermeiras licenciadas no local, apesar da prática comum de elas fazerem trabalhos ligados à categoria.

Consuelo Ng

“Eu trabalhava cinco vezes por semana ali”, disse em relação ao mês da morte do rei do pop. “Atendia telefonemas, cuidava dos arquivos, recebia os pacientes, checava seus níveis de oxigênio, fazia exames de sangue. Todas as três (funcionárias que trabalhavam no local) exerciam todas esas funções”.

Segundo Consuelo, Murray chegou a comunicar que tiraria um ano sabático para sair em turnê com Michael Jackson, com uma série de shows marcada para Londres, batizada This is It.

“Ele nos juntou e disse que arrumaria um médico competente para substitui-lo em sua ausência”, esclareceu. “Fiquei empolgada com a viagem, pois era o Michael Jackson e todos o conhecem e admiram”.

Pouco depois, no depoimento que encerrou o dia no tribunal onde ocorre o julgamento, a jovem Bridgette Morgan, que manteve um relacionamento amoroso com Murray na época da tragédia, confirmou, entre as poucas coisas faladas nos minutos em que permaneceu sob juramento, ter tentado falar com o então namorado no dia da morte, mas ele não atendeu ao telefone.

Bridgette Morgan

Na emergência
A cardiologista Thao Ngueyen, que iniciou seu depoimento no julgamento de Conrad Murray às 15h45 (horário de Brasília), mostrou de forma um pouco mais aparente o tamanho da preocupação que o acusado tinha em relação ao Propofol, anestésico responsável por colocar fim à vida de Michael Jackson.

Dr. Thao Nguyen | Conrad Murray Trial | Michael Jackson Doctor Trial

Dra. Thao Ngueyen

Segundo Ngueyen, que já trabalhava na UCLA (Universidade de Los Angeles) na época da morte do cantor, em junho de 2009, ela foi chamada para ir à emergência para atender o paciente VIP que ali se encontrava, no caso, o rei do pop – pois era dela a responsabilidade sobre os casos mais críticos de problemas cardíacos na instituição.

A cardiologista, então, afirmou ter conversado com o Dr. Conrad Murray e lhe questionado se havia dado a Jackson algum anestésico fora o calmante lorazepan naquele dia, receitado, segundo ele, pelo fato de o cantor estar “cansado devido aos ensaios para a série de shows que faria em Londres”.

“Ele (Murray) se apresentou como o médico particular de Michael Jackson”, explicou Ngueyen. “Perguntei se tinha outros narcóticos ou remédios além daquele (lorazepan) que ele havia citado, e ele disse, ‘não há outras drogas'”.

A médica ainda lhe indagou sobre o horário em que o remédio havia sido aplicado e fez a mesma pergunta a respeito da ligação que fez à emergência ao constatar que Jackson não respirava.

“Ele não soube me responder. Disse que estava sem relógio e tampouco conseguiu citar um horário aproximado”, afirmou a testemunha.

Pouco antes, a Dra Richelle Cooper, médica responsável por receber o Jackson na Emergência do UCLA, afirmou ter tentado reanimar o corpo durante 1h30 até finalmente desistir, já que não havia pulso. “Eu trabalho com situações críticas, então não prestei atenção ao modo como Dr. Murray se comportava”, respondeu ao ser indagada sobre o tema.

Cooper ainda negou que as 25 mg Propofol dadas ao cantor seriam insuficientes para sedá-lo. “Eu aplicaria 1 mg para cada quilo do paciente. Se ele estivesse acordado e não tivesse tomado outro medicamento, essa seria a dose para começar”.

Corroborando com a afirmação da colega Ngueyen, cujo depoimento foi prestado poucas horas depois, o cantor já chegou ao hospital morto e, apesar de diversas tentativas para reanimá-lo, não houve como mudar esse quadro.

O dia ainda contou com os depoimentos de Edward Dixon e Jeff Strohm, representantes, respectivamente, das companhias de telecomunicações AT&T e Sprint/Nextel, que analisaram os registros de chamadas do celular de Conrad Murray, bastante grandes no dia da morte de Jackson.

Segundo eles, no entanto, vários detalhes, como se os telefonemas foram de fato completados na ocasião, não puderam ser respondidos com o material disponível para análise.

O caso
Dr. Conrad Murray é acusado de matar o cantor Michael Jackson com um dose letal de propofol no dia 25 de junho de 2009, poucos dias antes do astro pop iniciar a turnê de 50 shows This Is It.

Seu julgamento, com júri popular, deu início na última sexta-feira, 27 de setembro, e deve ser por cinco semanas. A promotoria do caso alega “grosseira negligência” do médico na dosagem do anestésico, enquanto a defesa diz que Michael Jackson teria se automedicou até a morte.

Fonte: Terra em http://diversao.terra.com.br/gente/michaeljackson/noticias/0,,OI5391762-EI14032,00-Funcionaria+consultorio+de+Murray+nao+tinha+enfermeiras+licenciadas.html

Minha consideração:

Realmente isso tudo virou um circo, só pode ser isso, estou aguardando as cenas dos próximos capítulos! Ele nem parece se preocupar, está levando uma vida de celebridade! Só queria entender como que o MJ o escolheu para ser o seu médico pessoal, já que tem muita gente dizendo que ele não faz as coisas do modo certo!  Beijos Marila Hoppe


03/10/2011 - Posted by | Uncategorized

8 Comentários »

  1. O Murray está tão “zem”,que nem parece que está sendo acusado pela morte de um ídolo mundial.Por que será hein?

    Comentário por Marcella Jackson | 04/10/2011 | Responder

    • Pois é flor, ele está muito calmo e hoje eu achei o dia muito calmo lá no tribunal.

      Comentário por marilahoppe | 04/10/2011 | Responder

  2. É um espetáculo !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    bjs

    Comentário por Enia | 04/10/2011 | Responder

  3. Com certeza amiga…ta igual aquele filme: Sem Licença para dirigir…pois entao…esse é sem licença para consultar srsrrsrsrsrsr,,,,,!!!!

    Amiga os proximos capitulos é o que vao nos trazer mais surpresas ehehheh,,,bjosss

    Comentário por loredana | 04/10/2011 | Responder

  4. Eu deixei de acompanhar este julgamento por alguns dias pois minha cabeça ja esta dando voltas com tantas contradiçoes

    Comentário por Smooth Criminal | 04/10/2011 | Responder

  5. Tudo isso é uma novela,pois o Michael está mais vivo do que nunca,chega de tantas mentiras já estou cansada disso,pois amo muito o Michael.

    Comentário por Rosiane amorim de lima | 04/10/2011 | Responder

  6. Realmente amiga esse julgamento chega a um ponto que cansa msmo..eu vou começar a acompanhar por fora!! por noticias..!! se nós nao estamos cansados…imagina eles la…nao parece amiga,,mas cansa de verdade!! msmo q seja um circo para nós…!! as arrumaçoes deixa cansaço tbm!!
    bjoss

    Comentário por loredana | 05/10/2011 | Responder

    • É isso nos cansa muito, mas vamos ser firmes. Obrigada pelo apoio, esperamos amanhã, pelo sétimo dia, ou a continuação do dia de hoje. Beijos

      Comentário por marilahoppe | 05/10/2011 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: