Michael Joe Jackson Nós Te Amamos!

Nós Te Amamos!

O que faltou ao nosso Rei!


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

O que faltou a Michael Jackson

 Olá,

Durante toda sua vida, Michael Jackson tentou se eternizar, acreditando nos símbolos exteriores de sua fama incomparável e cultivando o ícone que se tornou. Depois de nos oferecer uma série de espetáculos — bons, com suas músicas e shows, e ruins, com sua decadência física e moral —, o rei do Pop continua a aprontar das suas, ainda que a cortina tenha caído.

Os lances do julgamento de seu médico, que já dura três semanas e deve se estender até o fim do mês, não me deixam mentir. Como se não bastasse tudo aquilo a que assistimos — seu pai que lhe dava surras terríveis faturando com a venda de livros, seus filhos dando entrevistas, embora o cantor jamais houvesse permitido que seus rostos fossem sequer mostrados na rua —, o mundo se chocou com a foto de seu corpo estirado sobre uma mesa de necrotério, exposto ao açougue público.

Os depoimentos revelam o triste fim de um homem terrivelmente escravizado por drogas medicamentosas e que tinha meios financeiros para obtê-las, ao contrário da imensa maioria de dependentes químicos que padecem todos os minutos em todo o planeta. Se nos debruçarmos sobre o real significado do julgamento do médico Conrad Murray, veremos que a grande discussão que esse caso levanta não diz respeito à imagem do Michael morto, mas ao hábito irresponsável de alguns médicos que assinam receitas como se fossem cheques em branco. Que isso ajude a coibir essa prática repugnante, que é pior do que a de um traficante, pois ela se reveste da autoridade de um jaleco branco.

Antes de estrear em 2009 a turnê do show This Is It, que só não aconteceu porque ele morreu na véspera, Michael já vinha alimentando a imprensa com suas bizarrices. Dizia-se que ele descobrira um câncer de pele, mas não queria fazer radioterapia; que tinha transtorno alimentar e se recusava a comer; que vivia assombrado pelo medo de que seu nariz caísse, que não lhe restavam mais orelhas e por aí ia. A lista é imensa.

Na época de sua morte, assinei um artigo que evocava a análise de um sociólogo americano que dizia que o fascínio do público por celebridades autodestrutivas (Amys e Britneys da vida) nasce do nosso próprio medo de enlouquecer. No caso de Michael, a coisa tinha contornos mais sinistros: o cantor vinha presenteando o público há tanto tempo com suas esquisitices, que nos tornamos monotonamente habituados a elas, como parte da paisagem. Ante seu circo dos horrores, nós até perdemos o tal medo da loucura, porque sabíamos, no fundo, que ninguém seria capaz de chegar tão longe.

Embora não caiba a mim nem a ninguém julgá-lo, não penso que Michael tenha se tornado aquele pálido espectro por conta das tragédias de sua infância ou pela mal administrada superexposição precoce. Quase todos nós já vivemos traumas difíceis, perdas inomináveis, e seguimos adiante para pagar nossas contas e zelar por nossas famílias, alternando momentos de tristeza e felicidade. Essa é a vida.

Michael teve um pai tirano e uma mãe omissa, mas também teve o grande produtor Quincy Jones, que acreditou em seu talento incontestável e lhe deu asas para que ele alçasse voo solo, um luxo de que poucos artistas, convenhamos, podem se gabar. O universo lhe dera uma segunda chance.

Mergulhado no vício e isolado na bolha que construiu ao longo de três décadas, Michael descolou-se da realidade, acreditou que o artista vinha antes do homem, não se deu a oportunidade de aproveitar as coisas mais simples da vida. Tentando permanentemente se comportar como ídolo, acabou encarnado o pior papel que um ser humano possa querer assumir, o de vítima.

Vejo a linda Immaculée Ilibagiza, sobrevivente do terrível genocídio em Ruanda, que esteve esta semana no Brasil para divulgar sua causa e conscientizar o mundo de que tragédias como essa devem ser evitadas a qualquer preço, mas sempre com um sorriso iluminado no rosto. Vejo Reynaldo Gianecchini, carequinha, dando seu depoimento para dar força às crianças com câncer com os olhos marejados e o sorriso franco, cheio de esperança. São tantos exemplos de força, superação e beleza extraída da dor.

No fim, o que faltou a Michael ao longo de sua trajetória foi uma bela arejada nas ruas, um choque de gente comum, encontrar nas esquinas pessoas que divergissem de suas opiniões, que também tivessem suas histórias difíceis para dividir, que não dissessem apenas amém a sua incontestável genialidade criativa. Alguém para quem pudesse telefonar no meio da noite e que lhe dissesse para acordar para a vida, que o ajudasse a limpar a mente de seus problemas autocêntricos, que não lhe desse razão em tudo, que o levasse para paquerar, ver um filme e jogar conversa fora, só para arejar a cabeça. Alguém de que Michael, eu e você, todos precisamos para fincar os pés na terra.

O que faltou a Michael foi, enfim, um bom amigo.

Mas ai eu pergunto, como encontrar um bom amigo? Se a maioria que apareceu só estava interessada em seu dinheiro?!

Até nós simples mortais temos dificuldades para encontrar um verdadeiro amigo… Amigo que nunca irá te abandonar em nenhum momento, imaginem quem é muito famoso e rico…

Lyllyan

Fonte: Revista Época

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/16/o-que-faltou-a-michael-jackson/

Minha consideração:

A Lyllyan tem toda razão, hoje em dia é muito difícil achar uma verdadeira amizade, e o MJ teve poucos amigos que realmente se importaram com ele, entre eles está a eterna Lyz Taylor, essa sim foi amiga real de MJ! Beijos Marila Hoppe


16/10/2011 Posted by | Uncategorized | 9 Comentários

Sem piadas!


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Comediantes não podem fazer piadas com família Jackson

 Olá,

Ai de quem fizer piadas sobre Michael Jackson ou qualquer outro integrante de sua família, no mesmo palco que estiver Janet Jackson.

Segundo o site “The Hollywood Report”, quem fizer isso terá sérios problemas, já que a cantora firma em seu contrato que comediantes estão proibidos de brincarem com sua família. Gerando assim, uma boa multa para quem descumprir.

Certíssima!!! Tem muito humorista por ai pensando que é humorista de verdade e pensa que sabe fazer piadas e na verdade o que ele faz é faltar com respeito.

Lyllyan

Fonte: Te Contei

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/16/comediantes-nao-podem-fazer-piadas-com-familia-jackson/

Minha consideração:

Está mais do que certo, porque todo vez que um cara desses faz uma piada sem graça dessas acaba machucando aos fãs do artista também, eu aplaudo de pé esse termo da Janet Jackson! Beijos Marila Hoppe


16/10/2011 Posted by | Uncategorized | 2 Comentários

Klein.


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Dr. Arnold Klein se defende do ataque do Dr. Conrad Murray

 Olá,

Dr. Arnold Klein diz: “Coloque ao meu lado um paciente, dá-me uma agulha e estou muito feliz”. Mas nem tudo é perfeição para a dermatologista das estrelas.

Dr. Arnlod Klein e o Dr. Conrad Murray eram médicos de Michael Jackson durante as semanas finais de sua morte em junho/2009.

Dr. Murray está sendo julgado por homicídio culposo na morte de Michael Jackson relacionada com uso de medicamentos, enquanto o Dr. Klein, que tratou de Michael Jackson por mais de 25 anos e chamou de “meu melhor amigo”, foi inocentado de qualquer irregularidade por parte das autoridades.

A equipe de defesa do Dr. Murray alega que o Dr. Klein promoveu a dependência do cantor em um medicamento chamado Demerol, e que teve papel em sua morte. Mas o Demerol não foi encontrado no corpo de Michael Jackson.

As alegações ter repercutido de forma dolorosa para o Dr. Klein, 66 anos, cuja sua lista de paciente está à falecida Elizabeth Taylor, Dolly Parton, Carrie Fisher e muitas outras celebridades.

“Eu vejo as coisas na internet e isso dói, porque eu não gosto de ser chamado de um médico ruim”, disse Klein, referindo-se a notícias on-line e muita conversa sobre o julgamento que entra em sua quarta semana.

“Tudo o que eu estou tentando fazer é ser o melhor médico que eu posso”, acrescentou o Klein, que ao final de cada frase reforça “Você entendeu?” ou “Você tem que entender isso.”

Apesar dos danos em sua reputação, o Dr. Klein diz que a Mídia acampou do lado de fora de seu consultório e muitos pacientes da alta tem se mantido afastados, incluindo “membros da família real de todo o mundo, políticos, pessoas que não querem lidar com os paparazzi”.

Os atores e outras pessoas de Hollywood têm ajudado a construir sua boa imagem e manter sua fama.

Carrie Fisher que é a atriz de (“Star Wars”) e escritora (“Beber Wishful”, “Postcards From the Edge”), respondeu com um firme “não” quando foi lhe perguntada se ela estava desconfortável em ouvir o nome do Dr. Klein no julgamento.

Ela disse que “Michael e Arnold tinha um relacionamento muito bom. Isto é uma pena, porque não existe qualquer ligação no (julgamento) com ele, pois todos conhecem o Dr.Klein”.

David Geffen, executivo musical e cinematográfica, que há muito tempo trabalhou com o Dr. Klein na luta contra a AIDS, escreveu uma carta aberta para o médico.

“Caro Klein, a luz de tudo o que está sendo dito sobre você na imprensa, eu fui obrigado a adicionar as minhas verdades. Eu nunca conheci um médico tentasse completamente conhecer e aprender tudo como você faz, um médico que sempre esteve lá por mim” escreveu Geffen.

Fisher afirma que abusou de medicamentos no passado, e a ética do Dr. Klein fez com que ela se encorajasse e lutasse contra o vício, disse ela.

“Se alguém quer saber, teria sido eu”, disse Fisher com um riso triste. “Ele  é um dos médicos que bate nas medicações.”

Garo Ghazarian, advogado de Klein, chamou a alegações da defesa de que o Dr. Klein contribuiu para a morte de Michael Jackson de “absurda” e negou que Michael Jackson era viciado em Demerol, medicamento utilizado para o alívio da dor “durante procedimentos médicos.”

Dr. Klein se recusa a discutir questões diretamente relacionadas com o julgamento ou se isto está afetando sua vida privada.

Dr. Klein é especialista em medicamentos injetáveis como Botox e Restylane para aliviar rugas e flacidez da pele. Isto o fez pioneiro e o tornou o favorito em Hollywood, onde a juventude e a beleza são a moeda do país.

Fisher disse que o Dr. Klein suavizou seu rosto após a perda de peso lhe trazendo a confiança de volta. “Ele se preocupa com o que ele faz e ele adora fazer as pessoas se sentirem melhor”, disse ela. “É como se ele fosse um pintor, mas o pincel é a agulha.”

Dr. Klein tem uma reputação internacional, com pacientes do Oriente Médio, Europa e na Califórnia que passam com ele.

Em uma edição de 2008 da Revista L’uomo Vogue, um artigo chamou o Dr. Klein como um arquiteto da face, ao lado de mestres arquitetura mais tradicional, incluindo Frank Gehry.

Dr. Klein gosta de objetos chamativos como jóias, seu relógio Rolex decorado com diamante e rubi, um presente que ele recebeu da Cher.

Em 2004 ele foi processado por uma socialite de Hollywood, que o culpou pelas injeções de Botox que teriam lhe dado dores de cabeça. O júri o inocentou e colocou a culpa no fabricante da droga.

No início deste ano, Dr. Klein abriu falência alegando que ele perdeu mais de R $ 10 milhões em roubo e fraude, culpando um ex-funcionário e outros.

O ex-funcionário negou as acusações e alegou, entre outras questões, que ele tinha sofrido com péssimas condições de trabalho.

Dr. Klein minimiza o impacto das perdas financeiras declarada,  dizendo que o pedido de falência foi baseado em “maus conselhos” e que ele espera pela solução em breve.

Durante a investigação da morte de Michael Jackson em 2009, os agentes federais encontraram pelo menos sete médicos, incluindo o Dr. Klein. Os agentes federais de drogas invadiram a farmácia do edifício de Beverly Hills, onde Dr. Klein anteriormente fazia as medicações.

Dr. Klein está em uma circunstâncias muito diferente do que o Dr. Murray, que pode acabar atrás das grades e perder sua licença médica em caso de condenação.

Dr. Klein acabou de se mudar para nova sede, na esquina da avenida Rodeo Drive acima de um restaurante chique, o Villa Blanca, que é um local frequentado por “The Real Housewives of Beverly Hills”.

Suas credenciais profissionais permanecem intactas. Ele é um professor de medicina e de dermatologia da Universidade da Califórnia, Los Angeles.

Dr. Klein se uniu com outros médicos, Liz Taylor e Geffen para formar a Fundação Americana para respeitada AIDS Research, AmFAR, e ele tem apoiado os esforços de captação de recursos visando outras doenças como o câncer de mama e doença ocular.

Presentes estão espalhados pela sua casa  em Beverly Hills, situada num bairro exclusivo protegido por portões e guardas. Há uma foto do Dr. Klein com Liz Taylor e Michael Jackson autografado. E Michael Jackson e seus filhos lhe deram uma escultura.

Uma cópia do livro “Elizabeth Taylor: My Love Affair With Jewelry” está inscrito com uma nota da atriz: “Meu amado Arnie, eu te amo mais do que eu posso dizer, eu sinto que você salvou minha vida. Amo e lhe agradeço para sempre.  Elizabeth. “

A conexão entre o Dr. Klein e Michael Jackson foi especialmente profunda. A amizade foi desenvolvida quando o cantor o procurou para cuidar da doença vitiligo, uma perda irregular de pigmentação da pele, que o Dr. Klein disse que foi forçado por Michael Jackson para clarear sua pele em geral e sua magreza facial foi causada por perda de peso, que pode ser preenchido com Restalyne e outros medicamentos injetáveis.

Michael Jackson viveu em uma das casas do Dr. Klein por um tempo, e o Natal de 2008 foram festejados com Michael Jackson, seus filhos Liz Taylor, Fisher e alguns outros, lembra o Dr. Klein.

O médico está escrevendo um livro sobre o rei do pop.

Dr. Klein diz que Michael não era um viciado em drogas, mas o adorava um vinho (que ele chamava de “suco de Jesus”). Ele era puro e inocente que queria viver para sempre sua infância, e “não era adulto o suficiente para ser sexual, “ conforme enfrentou alegações sobre abuso infantil.

Dr. Klein disse que está magoado tanto pela atuação da defesa de tratar Michael Jackson como um viciado frágil que contribuíram para a sua própria morte e pela alegação de que o próprio Dr. Klein tem uma parte culpa.

“Quando você é famoso ou popular em qualquer nível, eles vão atacá-lo”, disse ele.

“Você se torna parte da tragédia da celebridade ou das fofocas. Sua roupa suja é exibida e você é parte dela, direta ou indiretamente”, disse Rahul K. Parikh, médico e escritor que, em 2009 criticou o Dr. Klein por ter discutido publicamente sobre a história médica de Michael Jackson no programa de Larry King, na CNN.

A mistura de fama com medicina também é contraproducente, afirma o Dr. Mark Goulston, psiquiatra e autor (“Just Listen: Discover the Secret to Getting Through to Absolutely Anyone).

“A sedução da fama de um médico pode ser difícil de resistir”, disse Goulston.“Eu também acho que distrai o médico de que ele deveria estar fazendo. O médico deve se concentrar totalmente no bem-estar do paciente.”

Mas o Dr. Klein disse que seus pacientes e a busca pela perfeição, nada mais é que, a sua obsessão.

“Eu faço isso por causa do meu nível de conhecimento, você entende? A parte monetária é boa,  mas é realmente secundária para o que eu faço”, disse ele.

Ele poderia ter feito algo para salvar Michael Jackson, seu amigo e paciente?

“Eu não sei. Como você salvar uma pessoa?” refletiu o Dr. Klein. “Esta tragédia é um exemplo de como os ricos e famosos podem obter cuidados médicos terrível. Ela se repete e se repete. Quando as pessoas ficam famosas, elas tem todas as pessoas do ‘sim’ ao seu redor.”

Como este médico é cara de pau!!! Só agora  Michael Jackson viu que de “amigo” este ai não tem nada, e sim é “amigo da onça”…

Este ai é mais um Uri Gueller maldito na vida do Michael Jackson…

Lyllyan

Fonte: CTV British Columbia

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/16/dr-arnold-klein-se-defende-do-ataque-do-dr-conrad-murray/

Minha consideração:

Realmente esse Klein não é flor que se cheire, ele não é e nunca foi um amigo verdadeiro, infelizmente, ele sempre foi falso e o objetivo dele é dinheiro! Beijos Marila Hoppe


16/10/2011 Posted by | Uncategorized | 1 Comentário

Katherine disse que Murray mentiu!


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Katherine Jackson diz que o Dr. Conrad Murray é um mentiroso

 Olá,

A mãe de Michael Jackson, Katherine Jackson está irritada com o Dr. Conrad Murray porque ele disse aos policiais que depois que seu filho amado morreu, ele confortou ela e os filhos do cantor.

Ela disse que o Cardiologista, que agora está em apuros, é um mentiroso.

Katherine Jackson conversou com o promotor David Walgren no início da semana passada e disse estar indignada com a declaração do Dr. Conrad Murray.

“Katherine estava quase fora de si com tanta raiva depois que ela ouviu o Dr. Murray dizendo aos policiais que ele a confortou juntamente com seus netos depois que seu filho foi declarado morto”, revelou o sobrinho da Katherine, Trent Jackson.

Isso nunca aconteceu, o Dr. Murray inventou a coisa toda. “Ela está revoltada e indignada com o Dr. Murray ao dizer que ele estava lá por ela”,  acrescentou Trent.

Filho mais velho de Michael Jackson, Prince Jackson também disse que o Dr. Murray nunca nem falou com eles, disse Trent.

Trent contou que as crianças foram mantidas em uma sala fora do UCLA Ronald Reagan Medical Centre e foi o falecido empresário  Frank DiLeo que acompanhou as crianças e a Katherine quando eles chegaram na emergência.

Este médico não dá uma dentro!!! Sr. Jesus!!!

Lyllyan

Fonte: Hindustan Times

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/16/katherine-jackson-diz-que-o-dr-conrad-murray-e-um-mentiroso/#more-42843

Minha consideração:

É, está tudo complicado, são muitas contradições, estou esperando as cenas finais desse circo, filme, novela e teatro! Agora é apenas esperar pelo fim disso tudo! Beijos Marila Hoppe


16/10/2011 Posted by | Uncategorized | 1 Comentário

Flo Anthony.


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Flo Anthony diz que filhos de Michael Jackson estão proibidos de verem o julgamento

 Olá,

O julgamento do Dr. Conrad Murray tem sido no mínimo um gráfico para não dizer outra coisa. Estamos ouvindo todos os detalhes dolorosos sobre os problemas de sono e do dia em que Michael Jackson morreu.

A promotoria mostrou para o mundo inteiro a horrível foto da autópsia no tribunal. Mas você deve estar se perguntando como a família Jackson deve estar se segurando diante disto tudo.

Em entrevista com a uma amiga da família Jackson, Flo Anthony, ela disse que toda a família está unida e fazendo o bem durante este tempo difícil.

Anthony disse que a família está tomando todas as medidas para se certificar de que as crianças, Prince, Paris e Blanket estão protegidos contra as informações que saem sobre o julgamento. “As crianças não estão autorizados a assistirem o julgamento. “

Anthony disse. “Então você sabe, graças a Deus eles não viram a horrível foto da autópsia. Eles não viram a foto de seu pai, antes disso, você sabe deitado na maca após a sua morte… Eles estão muito bem blindados sobre isso. “

Anthony disse que Katherine Jackson tem dado uma vida normal aos filhos de Michael Jackson.

“Eu acho que a Sra. Katherine, com a ajuda de seus filhos, estão fazendo um bom trabalho, muito bom mesmo com os filhos do Michael… Eles estão fazendo o bem na escola. Eles estão no teatro. Eles estão no esporte. Sabe , eles estão realmente curtindo suas vidas. E eu acho isso uma coisa tão bonita “, disse Anthony.

filhos-de-michael-jackson-nao-querem-ver-o-julgamento-da-morte-do-pai

Lyllyan

Fonte: CNN

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/16/flo-anthony-diz-que-filhos-de-michael-jackson-estao-proibidos-de-verem-o-julgamento/

Minha consideração:

Eu bem pensei que os filhos dele não vão depor, isso é porque a Katherine não quer que eles acompanhem o julgamento e se ela não quer isso, provavelmente não vai querer ver eles depondo! Era um direito deles depor! Beijos Marila Hoppe



16/10/2011 Posted by | Uncategorized | 5 Comentários