Michael Joe Jackson Nós Te Amamos!

Nós Te Amamos!

Gleidson Jackson no TV XUXA


Como todos vocês ficaram sabendo o nosso amigo Gleidson Jackson esteve na XUXA, e ontem foi a apresentação dele no programa, estava muito emocionada porque eu já tinha visto o João, o fã que queria muito conhecer a Xuxa e é fã da Xuxa a nada menos que 25 anos, o mesmo tempo que eu sou fã da Xuxa, quando eu vi o Gleidson eu me emocionei muito, hoje eu quero dividir com vocês o vídeo do Gleidson no TV XUXA, foram três covers do Michael Jackson  contando com o Gleidson e devo dizer que todos eles mandaram muito bem, representaram muito bem o nosso Michael, agora com vocês o vídeo do TV XUXA.

Se vocês quiserem relembrar a entrevista do Gleidson para o blog da Eliete Jackson eu deixo os links logo abaixo:

http://michaeljacksonbreakingnewspow.blogspot.com/2011/10/inedito-gleidson-jackson-e-xuxa.html

http://michaeljacksonbreakingnewspow.blogspot.com/2011/10/gleidson-jackson-e-xuxa-2-parte.html

Eu fiquei muito feliz com a apresentação deles, eles mandaram muito bem, e foi uma honra ver a Xuxa encantada com a apresentação do Gleidson, ela demonstrava estar impressionada! Foi muito legal ver o programa e os meus cachorros ficaram latindo como se estivessem cantando e dançando ao meu lado enquanto assistíamos ao programa! E mais uma vez, os três estão de parabéns pela apresentação que fizeram no TV XUXA! Outra coisa que eu quero lembrar, o Gleidson mandou beijos para todo mundo, mas como o programa é editado eles cortaram essa parte, eles avisam antes que é editado o programa, mas ele mandou beijos para todos!  Beijos Marila Hoppe


30/10/2011 Posted by | Uncategorized | 11 Comentários

10 anos de INVINCIBLE.


Créditos: Forum Off The Wall. Beijos Marila Hoppe

Hoje dia 30 de outubro marcamos o décimo aniversario do álbum Invincible.


Invincible é o décimo álbum de estúdio do cantor americano Michael Jackson lançado pela Epic Records em 2001, que reúne dezesseis canções inéditas. Foi a primeira coleção de canções inéditas lançada pelo astro em dez anos, e tem como convidados o guitarrista Carlos Santana, a cantora Brandy e contém ainda um rap póstumo de Notorious B.I.G.
Nas canções “Unbreakable”, “You Rock My World”, “Break of Dawn” e “Threatened”, Jackson assume a execução rítmica, tocando todos os instrumentos musicais.
O álbum estreou no primeiro lugar entre os mais vendidos em treze países, incluindo Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e França. O lançamento de Invincible foi seguido pelos compactos de “Butterflies” na América e de “Cry” na Europa, Ásia e Oceania. Apesar de ter vendido mais de 13 milhões de cópias o álbum foi considerado pela crítica um fracasso comercial comparado aos trabalhos anteriores.[2]Desentendimentos entre Jackson e a diretoria da Sony Music levaram à interrupção da divulgação de Invincible pouco depois do Natal de2001.
O álbum recebeu elogios da crítica e foi votado pelos leitores da Billboard como o melhor da década

Curiosidades do álbum:
O álbum Invincible estava previsto para ser lançado no dia 11 de Setembro de 2001, em Nova York, logo após os dois concertos para comemorar os trinta anos de carreira de Michael no Madison Square Garden, mas os atentados terroristas às Torres Gêmeas o fizeram adiar o lançamento do álbum.
Foram gastos 30 milhões de dólares para produzir o disco. Invincible vendeu 366.272 cópias na semana de estréia nos Estados Unidos. O álbum conquistou a primeira posição apesar da forte concorrência da coletânea GHV2, da cantora Madonna.
O rap de Rod Serling na canção “Threatened” foi construído por meio de recortes digitais de frases narradas por ele nos episódios da série The Twilight Zone.
Invincible esteve disponível, por tempo limitado, em cinco capas de cores diferentes: prata, dourado, azul, vermelho e verde. Atualmente é prensado somente na cor prata.
A cantora Brandy faz segunda voz em “Unbreakable”. Michael retribuiu o favor gravando vocais para a canção “It’s Not Worth It”, do álbum Full Moon da cantora, de 2002.
A música “Shout”, gravada para Invincible e que ficou fora da seleção de faixas, foi reaproveitada pelo produtor Teddy Riley no primeiro álbum solo do cantor Nick Carter, membro do grupo Backstreet Boys. Já a faixa “Rock Your Body”, gravada por Justin Timberlake, foi escrita pelo mesmo e pelos produtores Pharrell Williams e Chad Hugo para Jackson, mas conflitos de agenda impediram que o trio se encontrasse para que a canção fosse apresentada ao astro.
O álbum foi dedicado a Benjamin Hermansen, um garoto negro, amigo de Omer Bhatti, que foi morto a facadas por um grupo de neo-nazistas em Oslo na Noruega em 26 de janeiro de 2001.
Este álbum é dedicado a Benjamin “Benny” Hermansen. Que possamos continuar a lembrar-se de não julgar o homem pela cor da sua pele, mas o conteúdo de seu caráter. Benjamin … Nós te amamos … Você pode descansar em paz. — Michael Jackson
Michael compôs a música “Speechless” enquanto brincava com os filhos no rancho Neverland e a dedicou a eles. Na faixa ele canta: “Quando estou com vocês nada parece real e me faltam palavras para explicar o quanto os amo”.
A canção “Heaven Can Wait” começou a ser tocada espontaneamente por algumas rádios americanas em 2002 e fez um sucesso razoável, considerando que nunca foi lançada oficialmente.
A revista Billboard, considerada a mais importante dos Estados Unidos na área musical e que semanalmente divulga as paradas dos discos, DVDs e músicas mais vendidas e canções mais tocadas nas rádios do país, escolheu, através de votação, Invincible como álbum da década e This Is It do ano (2009).
Michael compôs a música “The Lost Children” em homenagem a algumas crianças desabrigadas da África.
Foi lançando, antes mesmo do álbum, o disco em cópias limitadissímas “A Taste of Invincible”, que trouxe seis canções que seriam os verdadeiros singles, sendo eles: Unbreakable, Heaven Can Wait, Break Of Dawn, You Rock My World, Butterflies e Cry. Estima-se que este disco atualmente custa 900 dólares.
A música “Whatever Happens” teve um videoclipe de tributo produzido pelo fã-clube brasileiro “The Magic of Michael Jackson” e lançado no YouTube em 2009, intitulado “Michael Jackson’s Whatever Happens”. O videoclipe foi o primeiro não oficial do mundo produzido por fãs do Rei do Pop.

Campanha INVINCIBLE

Os fãs de todo o mundo se unirão em uma campanha que acontece o durante todo mes de outubro.

O objetivo da campanha: É para retornar o álbum para o número 1.
Este objetivo parece inteiramente apropriado dado este aniversário.
O objetivo do Campagin Invincible é apoiar legado de Michael Jackson;
A campanha centrou-se executado a partir de 01 de outubro de 2011 a 31 de outubro de 2011 inclusive.
Em junho de 2011, Jermaine Jackson declarou no Twitter que faixa favorita de Michael do Álbum de Invincible foi Unbreakable.

Fonte: Forum Off The Wall em http://offthewall.forumeiros.com/t765-10-anos-do-album-invincible

Minha consideração:

Hoje completou 10 anos desse álbum maravilhoso que o nosso rei Michael fez, eu gosto muito das músicas do álbum invincible, no começo do mês eu havia falado dessa campanha dos fãs, só para lembrar dela clique no link logo abaixo:

http://michaeljoejacksonvivo.com/2011/10/10/outubro-e-o-mes-de-invincible/

Na realidade eu gosto de todas as músicas do Michael Jackson, ele é maravilhoso, um calmante praticamente, porque escutar suas músicas nos acalma e relaxa, o álbum INVINCIBLE  está de parabéns!  Beijos Marila Hoppe


30/10/2011 Posted by | Uncategorized | 9 Comentários

Klein!


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Dr. Arnold Klein diz que Michael Jackson não era viciado

 Olá,

O médico de Michael Jackson, o dermatologista Dr. Arnold Klein apareceu no Extra TV na noite de ontem, 29/10/11, para uma entrevista.

Ele discutiu o que foi deposto no tribunal esta semana no julgamento do Dr. Conrad Murray, e ele disse que Michael Jackson não era um viciado.

O julgamento do Dr. Conrad Murray entrará na sexta semana na segunda-feira.

A defesa apresentou a sua última testemunha, Dr. Paul White, e ele afirmou que acredita que Michael Jackson provavelmente se auto-injetou a dose fatal de propofol.

Dr. Arnold Klein disse sobre Michael Jackson: “Michael não era um viciado em medicamentos”.

Quando perguntado se ele acredita que o Dr. Conrad Murray é culpado, ele explicou: “Não há dúvida. Você não pode administrar medicamentos quando você é incompetente. “

Seguidores do julgamento do Dr. Conrad Murray estão cientes do fato de que a defesa apresentou os registros do Dr. Klein. O uso de Demerol, e dosagens foram discutidos, e Dr. Klein afirmou que Michael Jackson não era um viciado. Promotor David Walgren continuará interrogando o Dr. White na segunda-feira.

Mesmo que  o Michael Jackson fosse viciado, o Dr. Arnold Klein nunca irá confirmar isto, afinal a reputação e a licença médica dele estaria em jogo também.

Lyllyan

Fonte: Examiner

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/30/dr-arnold-klein-diz-que-michael-jackson-nao-era-viciado/#comment-53098

Minha consideração:

Isso é verdade, ele nunca vai falar que deixou o MJ viciado, porque ele pode perder muitos pacientes e  a licença dele! Isso é certo que ele nunca vai revelar! Beijos Marila Hoppe


30/10/2011 Posted by | Uncategorized | 4 Comentários

Murray no meio de um debate científico.


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Médico de Michael Jackson está no meio de um debate científico

 Olá,

Depois de um debate de especialistas em farmacologia, termina na próxima semana o julgamento do médico de Michael Jackson, apresentado pela promotoria como um incapaz, em meio à preocupação da defesa de mostrar o artista como um dependente, provavelmente um viciado, sem lançar novas luzes sobre os acontecimentos no quarto do astro pop, no dia de sua morte.

Durante horas e horas, dois famosos especialistas mundiais, um deles convocado pela acusação e o outro, pela defesa, expuseram teorias opostas sobre o que ocorreu com o “Rei do Pop” no dia 25 de junho de 2009, quando de sua morte, aos 50 anos, em Los Angeles, devido a uma overdose do anestésico propofol que o cantor usava como sonífero.

Conrad Murray, acusado de homicídio culposo pela morte de Michael Jackson, trabalhava desde maio desse ano como médico pessoal do astro, e afirma que administrou o propofol – usado em cirurgias – depois de uma noite de insônia do cantor, uma vez que outros sedativos não surtiram efeito.

A defesa alega que Michael Jackson estava desesperado pelo vício e causou a própria morte, quando estava sozinho, enquanto a promotoria acusa Murray de homicídio involuntário por “graves negligências”.

O anestesista Dr. Steven ShaferSteven Shafer, chamado pela acusação, e seu colega Dr. Paul White, do lado da defesa, apresentaram projeções teorizando sobre quais poderiam ser os níveis dos sedativos que teria recebido Michael Jackson – e a que horas – para chegar às concentrações de fármacos no organismo, no momento de sua morte.

Basicamente, White afirma que Michael Jackson tomou várias pastilhas de Lorazepam e injetou em si mesmo o propofol com a ajuda de uma seringa horas antes de morrer. Shafer diz que Murray administrou em Michael Jackson 10 vezes mais Lorazepam e quatro vezes mais propofol do que o declarado à polícia.

O certo é que, no quarto, estavam sozinhos Murray e Michael Jackson e que qualquer interpretação sobre o ocorrido deve-se à palavra de um cientista sobre a do outro.

Nesta segunda-feira, quando o julgamento entrará na sexta semana, a promotoria vai interrogar White, quem refutou, qualificando-as de “irracionais” as acusações teóricas apresentadas na semana anterior por seu ex-aluno Shafer.

Quem tem razão? O professor Dr. Paul White ou o seu ex-aluno Dr. Steven Shafer?

Nenhum, porque os dois estão gagá… Rs

Lyllyan

Fonte: AFP

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/30/medico-de-michael-jackson-esta-no-meio-de-um-debate-cientifico/

Minha consideração:

Eu não sei qual dos dois está com a razão, pela lógica seria o professor? Mas na realidade toda essa aula que tivemos sobre propofol na faculdade, ops no tribunal nos deixou com mais dúvidas ainda! Beijos Marila Hoppe


30/10/2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Janet fará um show único em SP.


Janet Jackson vem ao Brasil para show único em São Paulo

Apresentação acontece no dia 9 de Dezembro no Credicard Hall

iG São Paulo | 28/10/2011 17:24

Foto: Getty Images Janet Jackson

A cantora Janet Jackson, irmã de Michael Jackson, vai se apresentar no Brasil. Será apenas um show, no Credicard Hall, em São Paulo, no dia 9 de dezembro.

A performance faz parte da turnê “Number Ones: Up, Close and Personal”, uma espécie de retrospectiva dos maiores sucessos da carreira da artista.

Clientes dos cartões Credicard, Citibank e Diners contam com pré-venda exclusiva e podem adquirir ingressos entre os dias 1º de novembro e 7 de novembro.

O público em geral conta com venda de ingressos a partir de 8 de novembro. Os preços variam de R$ 78 a R$ 500.

Serviço

Janet Jackson no Credicard Hall
Dia 09 de dezembro, às 22h
Avenida das Nações Unidas, 17.955, Santo Amaro
Telefones para informações: 4003-6464

Ingressos

Camarotes setor I – R$ 500
Camarotes setor II – R$ 400
Poltronas setor I – R$ 350
Poltronas setor II – R$ 300
Pista – R$ 250
Plateia superior I – R$ 160
Plateia superior II – R$ 140
Plateia superior III – R$ 120
Plateia superior (visão parcial) – R$ 78

Estudantes pagam meia-entrada

Onde comprar

Pela internet: www.ticketsforfun.com.br (entrega em domicílio – taxas de conveniência e de entrega)

Pelo telefone: 4003-5588, das 9h às 21h (entrega em domicílio – taxas de conveniência e de entrega)

Bilheteria oficial: Credicard Hall, das 12h às 20h (sem taxa de conveniência)

Lista de pontos de venda (com taxa de conveniência): premier.ticketsforfun.com.br/content/outlets/agency.aspx

Fonte: IG ÚLTIMO SEGUNDO em http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/musica/janet-jackson-vem-ao-brasil-para-show-unico-em-sao-paulo/n1597338221471.html

Minha consideração:

Essa é a irmã do MJ que eu gosto mais, achei os preços do show meio salgados! Mas os fãs da cantora podem ir guardando o seu dinheiro caso queiram gastar R$ 500, 00  no camarote do setor 1! Beijos Marila Hoppe

 

30/10/2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

MJ tomou 8 comprimidos extras.


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Michael Jackson provavelmente tomou oito sedativos extras

 Olá,

Dr. Paul White, última testemunha da defesa de Dr. Conrad Murray, disse que Michael Jackson se automedicou com 25 mg de Propofol por volta das 11h30 no dia de sua morte. O julgamento do médico do cantor chega ao fim da quarta semana nesta sexta- feira (28).

Ele afirmou que, junto com outras drogas, o anestésico matou o cantor, e ainda rebateu algumas opiniões de Dr. Steven Shafer especialista em propofol que depôs para a promotoria. Dr. White explicou que a concentração da droga não sintetizada na urina do astro não condiz com infusão do remédio ao longo de horas proposto por Shafer.

A defesa também apresentou nessa sexta-feira certificados que comprovam que Dr. Murray estava apto para administrar drogas para causar sedação moderada em seus pacientes.

Ele também explicou que o cenário mais apropriado para o que aconteceu no quarto na madrugada de 25 de junho de 2009 foi que Michael Jackson tomou cerca de oito pílulas de Lorazepam ao longo da noite, ingerindo duas ou três de cada vez.

Dr. White ainda disse que o motivo para terem encontrado pouca quantidade da droga no estômago do cantor é devido a sua rápida absorção do remédio pelo órgão.

Nem parece que um corpo foi autopsiado…

Este julgamento parece leilão porque é tal de dar chutes para saber quem consegue chegar mais perto do que aconteceu…

Agora o MJ tomou mais de oito sedativos, e detalhe, não conseguiu dormir? Uau!!!

Lyllyan

Fonte: Terra e TMZ

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/10/28/michael-jackson-provavelmente-tomou-oito-sedativos-extras/

Minha consideração:

Eu realmente não sei quantos remédios o MJ tomou, porque toda hora ficam dizendo uma quantia diferente, então se eles não sabem o quanto de remédio o MJ realmente tomou, como nós iremos saber? Cada hora é uma história! Beijos Marila Hoppe


30/10/2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

O décimo oitavo dia!


Créditos: Pri Abrantes. Beijos Marila Hoppe

Julgamento Conrad Murray: décimo oitavo dia

27 27America/Bahia outubro 27America/Bahia 2011

Olá boa noite!

Antes de mais nada quero agradecer pelos “Parabéns”, em relação aos 2 anos do Blog.

Fico muito agradecida pelo carinho, respeito, fidelidade e amizade.

Saibam que serei sempre grata por isso.

E acredito muito na nossa verdade. Eu nunca consegui pensar diferente.

Muitas pessoas adoram subir no palco e discurssar água, enquanto no escuro bebe vinho.

Por mais forte que seja, a coragem é uma máscara para o medo.

Sabe? No fundo todos estamos no chão, mas nem todos nós conseguimos ver as estrelas.

Uma percepção muda tudo.

Vamos direto ao assunto,

Mas primeiro quero dar destaque a algo que apareceu no Tribunal, e que por alguns segundos se tornou a atração dia.

Me desculpa, mas eu não consigo ignorar isso.

E eu deveria?

Um dos advogados de Murray está interrogando a testemunha, até que aparece atrás dele uma abóbora.

Bem,

É óbvio que isso está se referindo ao dia de Halloween, mas o foco aqui é o local em que isso foi colocado.

Uma abóbora em um tribunal?

Oh guys!

Aliás, notaram a cor da gravata do advogado?

Coincidência ou não, é a mesma cor da abóbora.

Tudo bem, não quero parecer meia “forçada”.

Mas…

Como olhar isso e não lembrar de ursos no Tribunal, gravata de Murray igual ao velho do enterro, e gravata de Flanagan com girassol?

Não sei qual é a sua análise sobre isso, mas por favor reflita seriamente sobre o grau de seriedade desse Tribunal.

O interessante é que o abóbora ficou apenas uns 2 minutos, porque depois foi tirada da cena pelo segurança.

Então te perguntou:

– Por que foi tirada?

Se ela se trata de uma “homenagem” para o Halloween (mesmo sendo de extremo mau gosto), por que tiraram o enfeite depois de pequenos minutos?

Seria porque isso seria um sinal?

#reflita

Aliás,

O que Halloween te lembra?

Lembra:

– Enfeites de Halloween em Neverland no ano passado

– Passeio de Elizabeth Taylor ao lado dos filhos de MJ, quando supostamente Michael teria aparecido disfarçado do filme “Jogos Mortais”

Obs: se lembra disso?

TMZ ainda disse: “Elizabeth Taylor, MJ e seus filhos passeando no Halloween..”

E por ai vai,

Hmmm..

Uma abóbora em um tribunal? +1

Vamos para as testemunhas

Robert Waldman: perito

Jackson era dependente de analgésico, diz perito em julgamento

Michael Jackson estava recebendo injeções grandes e regulares de um analgésico, além de tratamentos com Botox, nos meses antes de morrer, de acordo com Robert Waldman

Mas, no julgamento por homicídio involuntário do médico Conrad Murray em função da morte de Jackson em 2009 por overdose de medicamentos, o especialista em dependência química Robert Waldman não pôde afirmar inequivocamente se o cantor era ou não viciado no analgésico, em sua opinião.

Waldman depôs como testemunha especializada da defesa, perto do final dos argumentos desta. A alegação dos advogados de Murray de que o cantor de “Thriller” era viciado em vários medicamentos e que migrava de médico em médico para obter os remédios é uma parte fundamental da estratégia da defesa.

Murray já admitiu que dava a Jackson doses quase diárias do poderoso anestésico propofol, a título de sonífero, na mansão do cantor em Los Angeles, e médicos forenses constataram que essa foi a causa principal de sua morte em 25 de junho de 2009.

Mas os advogados de Murray argumentam que o médico não sabia que Jackson estava recebendo injeções do analgésico Demerol, que causa dependência química, de um dermatologista de Beverly Hills e que estas prejudicavam os esforços de Murray para fazê-lo dormir.

Waldman disse que os efeitos colaterais da abstinência de Demerol incluem ansiedade e insônia.

De acordo com documentos médicos apresentados nesta quinta-feira, Jackson recebeu 900 miligramas de Demerol ao longo de três dias em maio de 2009 do dermatologista Arnold Klein.

Os registros de Klein mostram também que ele deu a Jackson Botox e Restylane durante vários meses em 2009, para combater rugas e transpiração excessiva. Waldman descreveu as injeções de Demerol como sendo “doses grandes” que não seriam necessárias para injeções de tratamento dermatológico.

O especialista baseou sua afirmação nos registros do dematologista de Beverly Hills Arnold Klein, a quem Jackson consultava várias vezes por semana, e em alguns períodos diariamente, para tomar injeções de Botox e fazer outros tratamentos contra as rugas.

“Creio que há evidências de que Jackson era dependente de Demerol”, disse Waldman, acrescentando que “possivelmente” o popstar fosse viciado no analgésico.

Jackson “era dependente de Demerol, provavelmente viciado”, disse o especialista, quando o advogado de defesa Ed Chernoff mostrou na corte cerca de trinta registros médicos que atestavam as altas doses deste opiáceo que Jackson tomou antes de sua morte.

O especialista baseou sua afirmação nos registros do dematologista de Beverly Hills Arnold Klein, a quem Jackson consultava várias vezes por semana, e em alguns períodos diariamente, para tomar injeções de Botox e fazer outros tratamentos contra as rugas.

Entre o começo de março e o final de maio de 2009, Jackson recebeu de forma crescente de 100 a 300 mg de Demerol e doses menores de Midazolam, um ansiolítico, para aliviar a dor quando tomava Botox e outras injeções similares.

São números “muito acima da dose média”, explicou o médico. “Um indivíduo não familiarizado com o ópio recebe 50 mg de opiáceo”. Em consequência, provavelmente o artista, que teria desenvolvido tolerância, ficaria adormecido, letárgico e possivelmente incapaz de reagir.

Segundo Waldman, “o vício é um comportamento repetitivo que pode causar consequências adversas”, enquanto “uma dependência é a necessidade física de uma substância”.

Mas, ao ser inquirido pelos promotores, Waldman não pôde declarar com certeza que Jackson era dependente da droga, além de reconhecer que não é oficialmente certificado como especialista em dependência química.

A dependência é caracterizada como a necessidade física de uma droga, enquanto a adição, ou vício, é mais grave porque leva a pessoa a continuar com comportamentos destrutivos e o consumo de uma substância, a despeito das consequências negativas, disse Waldman.

“Quando um indivíduo é dependente de opiáceos, que tipo de problemas físicos apresenta?”, questionou o advogado Chernoff. “Ansiedade, insônia, agitação”, disse o especialista. “A insônia é muito comum (…), pode durar de semanas a meses”.

Murray alega que tentava curar a insônia crônica do paciente, bem como reduzir sua dependência ao propofol, anestésico ao qual o cantor se referia como seu “leite” e que acabou provocando sua morte.

Fonte: Globo/Terra/TMZ

[..]

OMG!

O que dizer sobre isso?

Sabe o que é mais “cômico”? Murray é um ótimo médico, mas por “ironia” não conseguiu salvar justo Michael. Ele já salvou muitas vidas (como vimos ontem), mas não conseguiu salvar APENAS Michael.

Tsc!

E assim..

Eles resolveram ressurgir o Demerol das cinzas, e assim construir uma defesa “foda” para Murray

Desculpa, mas é isso que eu vejo.

Tanto é que em nenhum momento a promotoria se levantou, ou tentou protestar contra as palavras da testemunha.

Mas também, existe alguma forma de protestar contra fatos?

Eu fiz um print disso, e observe as marcações do que seria as aplicações de botox em Michael

Também observei que todos esses relatórios estão no nome de Omar Arnold.  Se lembra que é?

Omar Arnold é o nome falso que Michael usava, para comprar e adquir remédios em grande quantidade. A própria promotoria denotou isso.

Então,

Se no próprio relatório consta o nome falso de Michael, e se um perito está afirmando que Michael era viciado, por que raios eu deveria desconfiar disso?

Até a própria família de Michael cansou de assumir isso, assim como Jermanie disse HOJE que Murray era viciado em Demerol.

WTF!

Será que ele não sabe que demerol serve como anestesia?

Então,

Toda vez que eu escuto “D.E.M.E.R.O.L” me vem na cabeça a música Morfina de Michael, onde o mesmo simula prazer em estar sofrendo uma parada cardíaca.

#reflita

Eles dizem:

“Quando um indivíduo é dependente de opiáceos, que tipo de problemas físicos apresenta?”, questionou o advogado Chernoff. “A insônia é muito comum”, respondeu a testemunha.

Por fim,

Michael era viciado em demerol! Os dados denotam isso..

E se ele era viciado nisso, essa é a justificativa para a sua insônia.

Murray sabendo que Michael sofria insônia; mas não sabia sobre o vicio em Demerol; tenta combater a insônia do paciente na utilização de propofol, o qual Michael também era viciado.

Ou seja: como combater um paciente viciado?

Como eu disse, a promotoria não questinou isso.

“…Michael recebey 900 miligramas de Demerol ao longo de três dias antes de morrer”

Oi?

900 miligramas?

Mesmo achando um absurdo essa quantidade,

Como duvidar de fatos? Tudo é denotado nos relatórios..

O que prova que Michael realmente era viciado.

Ou seja: como combater um paciente viciado? +1

Dr. Paul White: anestesita e especialista de Propol

Anestesista e especialista em propofol, Dr. Paul White – última testemunha da equipe de defesa – alterou a sua declaração original, de que Michael Jackson poderia ter morrido pela ingestão de Propofol.

White apenas testemunhou, afirmando sobre a sua teoria inicial de que engolir propofol poderia ter sido fatal para a cantor; uma teoria que ele incluiu em um relatório prévio para os advogados de defesa; foi apenas uma sugestão plausível … e não uma conclusão precipitada.

Durante as declarações de abertura, a defesa argumentou que o Rei do Pop podia ter se suicidado ingerindo Propofol, mas desde então caiu a afirmação de que um estudo revelou que beber o anestésico não seria fatal.

Outros destaques:
* O advogado de defesa J. Michael Flanagan abordou o que chamou de “elefante na sala”, pedindo para Dr. White se ele poderia justificar a administração de Propofol, em seguida deixar o paciente.  White respondeu: “Absolutamente não.”
* White disse que não era de se esperar, que Michael morreria após receber propofol de Murray.

Propofol dado por Dr. Murray não deveria ter matado MJ, diz médico

Dr. Paul White, especialista em propofol escalado pelos advogados de Dr. Murray, disse que a dose do anestésico dado pelo médico a Michael Jackson não deveria ter matado o cantor.

Explicando sobre seus estudos sobre o anestésico, Dr. White disse que descobriu vantagens em medicar pacientes com Midazolam momentos antes de aplicar Propofol. Ele também contou que achou interessante o artigo sobre o uso da droga para tratar da insônia.

[…]

Damn! 

Se lembram de Dr. Steven? Aquele que foi destaque em um post exclusivo sobre Lorazepam.

Bem,

Ele disse que estava “decepcionado” com Dr. White, porque ele mudou seu depoimento ao dizer que Michael poderia ter ingerido sozinho propofol.

Então,

Dr. White volta para justificar seu “equívoco”, mas me diz que propofol não seria fatal para matar Michael?

WTF!

E com “chave de ouro” Dr. White concluiu dizendo:

“Ele também contou que achou interessante o artigo, sobre o uso da droga para tratar da insônia”

Tratar insônia?

O que vimos acima?

Michael era viciado em demerol que causa insônia, e Murray tentou tratar essa insônia usando propofol. Então agora vem Dr. White, e diz que achou “interessante” tratar insônia com propofol?

Esse é o momento que dizemos:

ÓóÓóÓó!!!

Acha que Dr. White é um $%&#&#?

Mas…como ignorar os relatórios acima, onde está claro que Michael era viciado em demerol?

Pense sobre isso!

Já a respeito de Dr. Steven,

Bem sabemos que houve inúmeras contradições ali.

Veja bem,

Não quero fazer o papel de “advogada do diabo” ok?

Eu amo Michael, caso contrário não estaria aqui.

Mas vamos apurar os fatos, e assim poderemos distorcer, refazer, criar ou ignorar a vontade.

Quero falar sobre uma curiosidade aqui,

Lá encima eu disse:

O advogado de defesa J. Michael Flanagan abordou o que chamou de “elefante na sala”, pedindo para Dr. White se ele poderia justificar a administração de Propofol

FOCO!

“elefante na sala”

Sim, sim, sim lembrei dos elefantes da Hoax Death.

Mas não é sobre isso que quero falar; não de forma indireta.

Você sabe o que essa expressão significa?

“Elefante na sala” é uma metágora inglês, relacionada a uma verdade óbvia que está sendo ignorado ou passa despercebida. A expressão idiomática também se aplica a um problema óbvio, ou risco que ninguém quer discutir.

É baseado na ideia de que um elefante em uma sala seria impossível de ignorar, portanto, as pessoas na sala que fingem que o elefante não está ali, escolheram evitar lidar com o problema presente.

“…verdade óbvia que está sendo ignorada..”

O que você pensa sobre isso?

Por fim,

Nada é tão perigoso quanto a certeza de ter razão

Michael is alive! 

Fonte: Pri Abrantes em http://mulheresluxo.wordpress.com/2011/10/27/julgamento-conrad-murray-decimo-oitavo-dia/

Minha consideração:

Esse dia foi muito cansativo, eu lembro, mas o que foi muito interessante foi ter aparecido a abóbora de Hallowen dentro do tribunal e alguns minutos depois eles tiraram ela de lá, foi muito estranho isso, eu e a Ana estavamos notando que tinha essa abóbora ali durante essa semana, chegamos a nos perguntar e nesse dia eles mostraram a abóbora, o que respondeu as nossas perguntas sobre o que seria aquela coisa laranja atrás de Murray, e o mais interessante é que o advogado estava com uma gravata da cor da abóbora, o interessante é que em outra ocasião o advogado estava com uma gravata cheia de desenhos de girassóis e foi no dia que a La Toya levou ao tribunal um girassol e do lado de fora do prédio um homem segurava um girassol também! Estranho isso tudo, porque na outra semana teve o julgamento da Lindsay Lohan e não tinha bichos de pelúcia e nem abóbora dentro do tribunal. Beijos Marila Hoppe

30/10/2011 Posted by | Uncategorized | 4 Comentários