Michael Joe Jackson Nós Te Amamos!

Nós Te Amamos!

Julgamento entra em recesso até quinta – feira, dia 03/11/2011!


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Julgamento de morte de Michael entra em recesso e volta quinta-feira

Olá,

O julgamento, que já dura cinco semanas, entra em recesso nesta quarta-feira (2) e volta aos trabalhos na quinta-feira (3), quando o juri verá um resumo do que foi apresentado e conhecerá as regras do julgamento. O site “TMZ” diz que “uma vez que os jurados odeiam voltar ao julgamento as segunda-feiras”, é possível que a sentença saia na sexta-feira (4).

Para a promotoria, Murray é culpado da morte de Michael Jackson por negligência. A defesa do médico diz que ele é inocente, e que foi o cantor quem injetou mais 25 mg de Propofol em si por conta própria.

Se for considerado culpado, o médico pode ser condenado a até quatro anos de prisão e a perda de sua licença de médico.

http://newspressrelease.wordpress.com/2011/11/01/confirmado-dr-conrad-murray-nao-ira-depor-no-julgamento/

Lá deve ser feriado de Finados também…

Lyllyan

Fonte: UOL

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/11/01/julgamento-de-morte-de-michael-entra-em-recesso-e-volta-quinta-feira/

Minha consideração:

Eu realmente não sei se é comemorado o FERIADO DE FINADOS nos EUA amanhã.  Mas poderemos descansar um pouco amanhã, acho que na quinta tudo vai ser encerrado e saberemos o veredito, devemos lembrar que devido as lotações nas cadeias de lá, e a cada ano que um réu culpado passa na cadeia custa aos contribuintes 30 mil dólares, e que provavelmente Dr. Murray terá uma prisão domiciliar e com tornozeira, igual a que a Lindsay Lohan usou, e o que conta também é que ele não tem precedentes criminais!  Não vamos desanimar, não vamos desistir e nem colocar no lixo tudo que já vimos, chegamos até aqui e ficaremos firmes e fortes!  Beijos Marila Hoppe


01/11/2011 Posted by | Uncategorized | 8 Comentários

Murray não vai depor.


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Confirmado: Dr. Conrad Murray não irá depor no julgamento

 Olá,

O médico Dr. Conrad Murray, acusado de homicídio culposo pela morte de Michael Jackson, não vai testemunhar durante o julgamento. A defesa acaba de confirmar a informação ao site TMZ

1101_conrad_bn

Os advogados de defesa – Ed Chernoff e Michael Flanagan – chegaram a esta decisão após alguma discordância. Segundo o TMZ, eles estavam divididos entre deixar ou não o réu depor.

Segundo fontes do site, Ed Chernoff não queria que Murray depusesse, temendo que fosse crucificado pela promotoria. Já Michael Flanagan preferia o oposto.

Conrad Murray afirmou nesta terça-feira que decidiu não depor em sua própria defesa, durante o julgamento no qual é acusado de homicídio culposo.

“Minha decisão é a de que não vou depor sobre este assunto”, disse ao juiz Michael Pastor, durante um intervalo no julgamento que ocorre na Suprema Corte de Los Angeles, e que deve ser encerrado nos próximos dias.

contradicoes-marcam-julgamento-de-medico-de-michael-jackson

dr-conrad-murray-nao-ira-depor-no-julgamento

Decisão mais acertada!!!

Lyllyan

Fonte: EGO Notícias e TMZ

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/11/01/confirmado-dr-conrad-murray-nao-ira-depor-no-julgamento/

Minha consideração:

Isso foi certo, porque se até agora temos muitas contradições, o médico iria ficar todo enrolado, iria ser complicado, então essa decisão foi a mais acertada! Beijos Marila Hoppe


01/11/2011 Posted by | Uncategorized | 3 Comentários

Contradições no julgamento de Murray.


Créditos: Lyllyan. Beijos Marila Hoppe

Contradições marcam julgamento de médico de Michael Jackson

 Olá,

Um depoimento repleto de irritabilidade por parte da promotoria e contradições por parte da testemunha de defesa marcou a manhã desta segunda-feira – tarde no Brasil – no julgamento do Dr. Conrad Murray, acusado de ter sido responsável pela morte de Michael Jackson.

Em seu terceiro dia no tribunal, Dr. Paul White, médico-especialista em sedativos escolhido pela defesa como sua última testemunha no tribunal, voltou a cravar sua crença de que o cantor teria sido o responsável pela própria morte, apesar de diversos artigos e publicações suas dizerem justamente o contrário.

O maior exemplo disso é um capítulo escrito por ele no livro do colega Dr. Steven Shafer, no qual recomenda uma série de cuidados para a aplicação de sedativos em pacientes. Entre as exigências básicas, está a anestesia monitorada – “a forma mais pura” desse tipo de procedimento, segundo o texto -, que inclui equipamentos propícios para a ressuscitação do paciente em caso de parada cardíaca, higienização total do ambiente e auxílio de uma equipe formada por profissionais anestesistas especializados. Ou seja, tudo aquilo que Conrad Murray não fazia.

“De acordo com o seu artigo, não seria incorreto aplicar o Propofol em um quarto particular de residência?”, indagou um dos representantes da promotoria sobre o fato de o anestésico ter sido dado ao cantor diariamente, durante dois meses, em sua própria casa, em Los Angeles. “Mas o texto fala especificamente sobre a aplicação de anestesia em cirurgias, não como sedativo regular”, retrucou White.

A acusação, então, insistiu, como fez durante todo o depoimento, questionando se o médico aplicaria o anestésico sem cumprir ao menos o mínimo desses cuidados. “Definitivamente, não a aplicaria”, respondeu, enfático, White, contrariando o que a defesa dele esperava.

O promotor foi mais longe e perguntou se White aceitaria ser o médico particular de Michael Jackson, como foi Conrad Murray por tanto tempo. Mais uma vez, a testemunha foi direta, rechaçando completamente a possibilidade de fazer algo do tipo, não só pela exigência de tempo e responsabilidade que o cargo lhe exigiria, como pela falta de recursos materiais disponíveis na residência do paciente para tanto.

Firmeza
Mesmo demonstrando opiniões profissionais bastante contrárias às de Murray, White manteve firme sua crença de que o acusado não teria tido culpa na morte de Michael Jackson. Sem citar o procedimento do médico no tratamento do cantor, a testemunha defendeu a tese de que o astro pop teria se auto-medicado com o Propofol.

“Não acho que o senhor Jackson quisesse se machucar ou qualquer coisa do tipo. Para mim, o Dr. Murray colocou a dosagem numa seringa, a deixou no quarto e foi telefonar. Ele (o cantor), no desejo de cessar sua dor e desconhecendo os perigos que o intervalo entre uma aplicação e outra poderiam lhe causar, acabou se auto-medicando”, teorizou.

O discurso apresentado por White foi exatamente o mesmo daquele contido na carta que entregou meses antes do julgamento aos advogados de ambos os lados, na qual defendia a tese de culpabilidade do cantor em sua morte. Para ele, a teoria de que Murray teria aplicado uma dose fatal em Michael Jackson não faz sentido, pois o médico só o faria se realmente quisesse fazer um mal ao cantor, “o que não teria sentido”.

Ainda bem que não é só eu e outros fãs que estão vendo que este julgamento está contraditório e confuso.

Será que realmente fizeram a autópsia? E se fizeram porque tantas teorias do que aconteceu?

Lyllyan

Fonte: Terra

Fonte: Lyllyan em http://newspressrelease.wordpress.com/2011/11/01/contradicoes-marcam-julgamento-de-medico-de-michael-jackson/#comment-53259

Minha consideração:

Realmente esse julgamento está cheio de contradições, e essas contradições estão vindo a um tempo já, antes mesmo do começo do julgamento, é tudo muito confuso e fora do padrão normal de um julgamento real! Beijos Marila Hoppe


01/11/2011 Posted by | Uncategorized | 1 Comentário